Sociedade

Herzog, o que se conta 37 anos depois?

Nesse dia 25 relembramos a importância da figura desse jornalista na história recente do país Por Mariane Roccelo (mariane.roccelo@gmail.com) “Mas que vejo eu aí… Que quadro d’amarguras! É canto funeral! … Que tétricas figuras! … Que cena infame e vil… Meu Deus! Meu Deus! Que horror! “ Foram os versos de Castro Álves citados por Audálio […]